Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades.

Ao se inscrever na nossa Newsletter, você consente com o armazenamento dos seus dados pessoais por nós, para que possamos futuramente lhe encaminhar informações que possam ser do seu interesse. Seus dados não serão divididos com outras empresas.

Exclusão do ICMS da base de cálculo do PIS e da COFINS.

Pesquisa
Categorias
Palavras Chave
Compartilhe esta publicação

25 de outubro de 2018

Por

Allan Moraes, Angela Andreoli e Eduardo Winters

É de conhecimento geral que o Plenário do Supremo Tribunal Federal – STF, no julgamento do Recurso Extraordinário – RE nº 574.706, pacificou o entendimento de que o ICMS não compõe a base de cálculo do PIS e da COFINS (faturamento).
A Receita Federal do Brasil – RFB, entretanto, vinha resistindo a essa orientação sob o argumento de que a decisão do STF ainda não transitou em julgado, ou seja, poderia ser modificada ou modulada em razão de um recurso (embargos de declaração) pendente de julgamento.
Indiferente a isso, o Poder Judiciário vem aplicando o entendimento do STF aos processos em andamento e as empresas que já obtiveram decisão judicial definitiva passaram a adotar os procedimentos cabíveis, seja para compensação dos valores recolhidos indevidamente, seja para exclusão do ICMS na apuração corrente do PIS e da COFINS.
Diante dessa situação, a RFB publicou, no último dia 23 de outubro, a Solução de Consulta Interna RFB/COSIT nº 13/2018, para tratar da forma mediante a qual a decisão do STF deve ser aplicada no cálculo das contribuições.
Em apertada síntese, segundo o entendimento da RFB, o montante a ser excluído da base de cálculo do PIS e da COFINS é o valor mensal do ICMS “a recolher” e não o valor do ICMS destacado nas Notas Fiscais.
Trata-se, nitidamente, de uma tentativa ilegal de restringir o direito dos contribuintes e mitigar os efeitos da decisão do STF na arrecadação federal. Com efeito, a própria Ministra Carmen, no voto proferido no julgamento do RE 574.706 deixa claro que o ICMS a ser excluído é o “destacado na fatura”.
Em face do exposto, sugerimos que as empresas adotem as medidas necessárias para evitar riscos de questionamentos na apuração corrente das contribuições, bem como para assegurar o direito ao crédito integral a que têm direito em face da decisão do STF.

Para maiores informações, contatar Allan MoraesAngela Andreoliou Eduardo Winters, nos e-mail’s [email protected][email protected] ou [email protected] ou pelo tel.: (11) 3146-2413.

Pesquisa
Categorias
Palavras Chave
Compartilhe esta publicação