Newsletter

Cadastre-se e receba nossas novidades.

Ao se inscrever na nossa Newsletter, você consente com o armazenamento dos seus dados pessoais por nós, para que possamos futuramente lhe encaminhar informações que possam ser do seu interesse. Seus dados não serão divididos com outras empresas.

LGPD para valer: Congresso aprova MP que altera substancialmente a lei

Pesquisa
Categorias
Palavras Chave
Compartilhe esta publicação

31 de maio de 2019

Por

Nesta quarta-feira, dia 29/05/2019, o Senado Federal aprovou a Medida Provisória nº 869/2018 (“MP”), que altera a Lei nº 13.709, de 14 de agosto de 2018 (“LGPD”).

A MP, que agora segue para sanção presidencial, trouxe significativas alterações à LGPD, sendo a mais relevante a – tão esperada – criação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (“ANPD”), que havia sido objeto de veto presidencial.

O texto inicial da MP, alocava a ANPD como órgão integrante da Presidência da República, sendo que, com a nova redação aprovada pelo Congresso, fica estabelecido que a Agência integrará a Presidência em um momento inicial, podendo ser transformada em entidade autárquica especial dentro de 2 anos (art. 55-A), o que lhe daria autonomia técnica decisória.

Além disso, a Medida Provisória:

  1. Confirma a data de entrada em vigor da LGPD para agosto de 2020;
  2. Estabelece novas penalidades, dentre as quais a proibição total do exercício de atividades relacionadas a tratamento de dados;
  3. Estabelece que o encarregado pelo tratamento de dados (DPO) deverá demonstrar conhecimento jurídico na matéria, bem como ser indicado tanto pelo controlador quanto pelo operador;
  4. Autoriza a utilização de dados de acesso público ou que tenham sido tornados públicos pelo titular para finalidade distinta daquela que justificou a sua disponibilização, desde que respeitados os princípios da LGPD;
  5. Proíbe as empresas que oferecem planos privados de saúde de realizarem o tratamento de dados de saúde para fins de seleção de risco na contratação pelo titular;
  6. Excepciona a vedação de compartilhamento de dados pessoas sensíveis referentes à saúde com objetivo de obter vantagem econômica, possibilitando referido compartilhamento nas hipóteses relativas a prestação de serviços de saúde;
  7. Possibilita a transferência de dados pessoais do Poder Público para o setor Privado – desde que atenda a determinados requisitos, estabelecidos no artigo;
  8. Atribui à ANPD o dever de editar normas e orientações simplificadas para facilitar e auxiliar a adequação de microempresas, empresas de pequeno porte, empresas de inovação ou startups à LGPD.

Para qualquer auxílio acerca das medidas a serem adotadas neste processo de adequação, os advogados da equipe de Propriedade Intelectual do escritório estão à sua disposição no e-mail [email protected], ou pelo telefone (11) 3146-2400.

Pesquisa
Categorias
Palavras Chave
Compartilhe esta publicação